Olá pessoal! Esse mês teremos uma novidade aqui no blog: toda segunda-feira vai rolar um especial. Esse mês vou trazer para vocês a série Corte de Espinhos e Rosas da Sarah J. Maas, que inclusive está lançando o quarto livro em maio, e já estamos na torcida para a Galera Record trazer o mais rápido possível para o Brasil. No especial vou trazer minhas partes favoritas do livro, comentá-las, quotes etc. Vai ser uma resenha um pouco mais informal, e pode ter alguns spoilers (eu deixo uma alerta bem grande se tiver). Então, vamos lá? 
- Precisamos de esperança tanto quanto precisamos de pão e carne - interrompeu meu pai, os olhos vívidos por um raro momento. - Precisamos de esperança, ou não sobreviveremos. Então, deixe que ela mantenha a esperança, Feyre. Deixe que imagine uma vida melhor. Um mundo melhor. (pág. 27)
Encarei o primeiro livro mais como uma introdução ao universo criado pela autora. Temos uma pitada de romance, ação, aventura, suspense e drama. Uma das coisas que mais gostei é exatamente como a autora consegue misturar tudo isso sem perder o foco, ou se perder na história. Nos prende com sua narração detalhada, fluída e cativante. É extremamente interessante como ela consegue nos guiar durante toda a história, envolvendo e ligando-nos aos sentimentos de Feyre. Eu me envolvi tanto com a história que foi como se realmente eu fizesse parte de tudo aquilo, ou como se eu fosse a própria Feyre. Conhecendo um mundo novo e diferente, aventurando-me e vendo se tudo aquilo seria uma ruína ou salvação. Uma história super intensa.
Minha prisão ou salvação... não pude decidir. (pág. 54)
Durante quase todo o livro vemos a Feyre conhecer a Corte Primaveril, as festas, fazer amigos e inimigos, descobrir quais questões realmente precisavam ser respondidas, entender melhor o mundo acima da muralha, encontrar semelhanças e perceber as diferenças dos feéricos e humanos, e principalmente se conhecer, descobrir seus próprios limites e explorar novos sentimentos que surgem em seu coração. E tudo que é tão novo para nós, também é para ela, por isso por diversas vezes os sentimentos do leitor e protagonistas são intensos e misturados.
Não era totalmente minha culpa que eu mal conseguisse ler. Antes de nossa queda, mamãe negligenciara muito nossa educação, não contratara uma governanta. E, depois que a pobreza nos atingiu e minhas irmãs mais velhas, que sabiam ler e escrever, declararam que a escola da aldeia estava abaixo de nós, elas não se deram o trabalho de me ensinar. Eu conseguia ler o suficiente para me safar - o bastante para compor minhas letras, mas tão mal que mesmo assinar meu nome era vergonhoso. (pág. 123)
Apesar de ser uma releitura da Bela e a Fera, não é nada do que se pode esperar ou imaginar. As conexões são tão autenticas que às vezes você nem as percebe. Feyre não sabe ler, e é exatamente isso que a leva até os livros. Ela percebe a importância de conseguir ler e escrever, e resolve tentar aprender sozinha. Enquanto isso, há uma maldição cada vez mais forte se espalhando por Prythian (as terras feéricas), e que pode alcançar abaixo da muralha, as terras dos humanos, e prejudicá-los. Por isto, ela quer tentar escrever uma carta alertando o pai e as irmãs para que se cuidem.
- Primaveril, Estival, Outonal, Invernal, Crepuscular, Diurna e Noturna - ponderou a criatura, como se eu sequer tivesse respondido. - As sete Cortes de Prythian, cada uma governada por um Grão-Senhor, todas letais de seu próprio jeito. Não são apenas poderosas, são o Poder. (pág. 138)
Mais uma vez devo admitir que todo esse universo criado pela autora me deixa muito admirada. Já não é tão simples escrever um livro que se passa no mundo real, que conhecemos. Imagina escrever uma fantasia, sobre algo que está apenas na sua cabeça, fazer as pessoas compreenderam, interligar todas as pontas, desenvolver uma história em um universo totalmente novo e desconhecido. Mas sim, a Sarah fez isso com louvor! E conseguiu me fazer amar esse gênero fantasia e querer ler mais dele.
Sem contar na construção perfeita dos personagens, as revelações e desenvolvimentos de todos eles. A forma como os conhecemos através da visão da Feyre, nos apaixonamos, e depois conseguimos ter outra visão de alguns personagens, conhecendo-os de outra maneira, sem criar desgosto pela história. Apenas nos aproximando da realidade, que nem tudo é perfeito, e nos decepcionarmos com as pessoas é algo que acontece no "mundo real" da literatura.
Em geral, eu pintava do alvorecer ao crepúsculo, às vezes naquele quarto, às vezes no jardim. Os dias se condensaram. De vez em quando, eu fazia uma pausa para explorar as terras Primaveris com Tamlin como guia, e voltava com ideias novas que me faziam saltar da cama na manhã seguinte, para rabiscar ou anotar as cenas ou as cores conforme as avistara. (pág 179)
Muito legal a sensibilidade que a autora colocou na Feyre, mesmo depois de tanta coisa que ela passou. Esse detalhe do amor à pintura foi uma parte muito importante, que fez a personalidade da protagonista mais visível para o leitor. 
Aquele era um sonho muito bom. Jamais dormira tão maravilhosamente bem antes. Tão quente, aninhada ao lado dele. Calma. Ecoando baixinho para meu mundo de sono, ele falou de novo. - Você é exatamente como sonhei que seria também - sussurrou ele, o hálito acariciando minha orelha, e , depois, a escuridão engoliu tudo. (pág. 222)
O romance que há em toda a história, a autora prova para o leitor que a sua ótima escrita não foi um golpe de sorte, ela realmente consegue nos envolver em todas as partes. Seja como for, seja qual revelação seja feita, seja qual personagem conhecemos a fundo, ela só nos prende, envolve e nos faz querer mais.
Eu estava cheia de raios de sol. Era como se eu jamais tivesse experimentado o verão antes, como se jamais soubesse quem estava esperando para surgir daquela floresta de gelo e neve. Não queria que aquilo terminasse; eu jamais queria deixar o alto daquela colina. [...] Eu estava tão livre quanto um tufo de sementes de dente-de-leão, e Tamlin era o vento que me guiava pelo mundo. Ele sorriu para mim, e me vi sorrir de volta. Não precisava fingir, não precisava ser nada além do que era bem ali, sendo girada pelo campo, os fogos-fátuos dançando ao nosso redor, como dezenas de luas. (pág. 237/238) 
O final do livro, lá para página 300 o livro ainda fica bem melhor. Mais ação, aventura. Somos apresentados à outros personagens, nos aprofundando à eles, e também à situação do mundo feérico no momento. Tudo se torna mais amplo, a ser explorado, conhecido, desenvolvido.

A história é muito boa, o livro é com certeza cinco estrelas, mas algumas pessoas podem achar ele parado até quase o final, porque como eu falei ele realmente é uma introdução ao mundo e aos problemas que vão ser desenvolvidos. Garanto: os outros livros são ainda melhores. Meu preferidos dos três primeiros é o segundo livro: Corte de Névoa e Fúria, que é o próximo do especial desse mês. A autora me deixou extasiada com o livro, ainda bem que quando eu acabei de ler o primeiro já tinha a sequência em mãos para dar continuidade à leitura, e quando acabei de ler os três livros, a trilogia já era minha preferida da vida, mesmo eu quase não lendo fantasia.

Fiz uma montagem com algumas fanarts que achei no google, me perdoem por não ter os créditos, foi apenas porque não achei os autores. Mas se alguém souber pode deixar nos comentários, por favor. Essas imagens nos ajudam a, junto com as descrições, imaginar os personagens.

Vocês já conheciam esse livro? Ficaram curiosos para ler? Espero ter ajudado a esclarecer algumas dúvidas. Você pode comprá-lo aqui: Amazon | Saraiva (box) | Submarino (box).


7 Comentários

  1. Fiquei mega curiosa pra conhecer essa série, ADORO livros de fantasia! Acho que vou me identificar <3

    www.reinodaspalavras.blog.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até então, de fantasia, eu tinha lido apenas The Kiss of Deception. Mas a história é tão boa que me conquistou totalmente, estou lendo os outros livros da autora e procurando mais livros do gênero. Super indico! :*

      Excluir
  2. Eu sou super fã da Sarah e minha série favorita dela é Trono de Vidro. Quase não li essa, mas resolvi dar uma chance e agora é minha segunda favorita, hahaha. Excelente post!
    Bjs
    https://gatadeboutique.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, que bom que gostou do post. Minha série favorita é Corte de Espinhos e Rosas, estou lendo a série Trono de Vidro, e inclusive amanhã sai resenha do primeiro livro, mas não gostei tanto quanto gostei de Corte. A escrita da autora é maravilhosa, e isso não mudou em ambas as séries. Estou indo para o terceiro livro da série.

      Excluir
  3. Todo mundo elogia tanta essa série e a classificam como favorita, como você disse.
    Só me culpo a cada dia por ainda não ter lido-a.
    PRECISO!

    Beijos,
    Naty
    http://www.revelandosentimentos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza você vai amar, leia mesmo! A autora é muito talentosa. Beijos :*

      Excluir