Chegamos ao último post do Especial da série Corte, adorei muito compartilhar com vocês essa série que se tornou uma das minhas favoritas e espero que vocês também tenham gostado. Houve alguns atrasos de posts nessa última semana porque minhas aulas retornaram, estou cheia de livros para ler, matéria para estudar e projeto de pesquisa para fazer, além de estar atualizando o IG e blog, ser dona de casa e viver haha. Então peço que vocês compreendam, vou tirar um fim de semana o mais urgente possível para programar todos os posts do mês, e vocês me ajudem comentando todos eles, por favor! Sem mais delongas, vamos lá...

*Contém spoiler dos dois primeiros livros, porém não contém do terceiro.*
Não me importava que tivéssemos uma plateia quando ergui o rosto e vi a alegria e a preocupação e o amor brilhando naqueles olhos incríveis.
Rhys também não se importou quando murmurou:
– Meu amor. – Então, me beijou. (pág. 133)
Amei a ideia da autora colocar a Feyre na Corte Primaveril novamente, porém em uma perspectiva completamente diferente. Isso é uma das coisas que amo em sua narrativa, ela pode repetir fatos várias vezes, usando uma forma completamente nova de abordagem, e ficará tudo ainda mais surpreendente. A evolução da Feyre neste último livro é mais nítida do que nunca, ela agora é alguém independente, segura de si e verdadeiramente feliz – e poderosa!
– O que saiu não foi o que entrou. – Uma risada riuca quando o Entalhador apoiou a lasca de osso no chão a seu lado. – Como é linda, nova como uma corça, mas antiga como o mar. Como ela o atrai. Uma rainha, como minha irmã um dia foi. Terrível e orgulhosa; linda como um alvorecer de inverno. (pág. 239)
A cada novo capítulo a autora mais me surpreendeu. A riqueza de detalhes que ela preenche a história, fazendo-a estar toda conectada, não tem como nos cansar. Menos do comum, mais do surpreendente, extremamente criativa! Vemos criaturas, histórias e lendas criadas com tanto empenho que parecem reais. O que deixou claro – pelo menos para mim – foi que a autora não teve preguiça de contar a história, não quis encurtá-la, não quis resumi-la ou correr, como se sua única prioridade fosse deixar toda a narração fluir naturalmente de forma gostosa e envolvente.
– Se precisar de alguma coisa... Estarei bem aqui.
Dei um sorriso breve e grato a Mor.
– Assim como eu.
Ela ainda estava sorrindo quando respirei fundo antes de seguir para a porta. (pág. 296)

– Bom saber que depois de quinhentos anos você ainda se veste como uma vadia.Em um momento, Azriel estava sentado.
No seguinte, ele avançou pelo escudo de Eris com um clarão de luz azul e o derrubou de costas, madeira se partiu sob os dois.
– Merda – disparou Cassian, e foi imediatamente até lá...E se chocou contra uma parede azul.
Azriel selara os dois ali dentro, e, no momento que as mãos cheias de cicatrizes de fechavam em torno do pescoço de Eris, Rhys falou:
– Basta.Azriel apertou, Eris se debatia sob o guerreiro. Nenhum combate físico; havia uma regra contra isso, mas Azriel, com qualquer que fosse o poder concedido por aquelas sombras...
– Basta, Azriel – ordenou Rhys. Talvez aquelas sombras que agora deslizavam e se retraíam em volta do encantador o escondessem da ira da magia irrevogável. Os demais não fizeram menção de interferir, como se cogitando o mesmo.[...]Eu me levantei com os joelhos surpreendentemente firmes.
Senti todos ficarem tensos, o olhar de Tamlin era como um ferrete conforme eu caminhei até o encantador de sombras, com o vestido brilhante sibilando pelo chão atrás de mim. Quando coloquei a mão tatuada na curva dura, quase invisível, do escudo e falei:
– Venha, Azriel. – Azriel parou.[...] – Venha se sentar ao meu lado.[...]Ninguém falou nada até que eu oferecesse vinho a Azriel e me sentasse.
– Eles são minha família – expliquei, para as sobrancelhas erguidas que recebi ao servir o encantador de sombras. Tamlin apenas sacudiu a cabeça, enjoado, e, por fim, deslizou aquela garra de volta para dentro. Mas encontrei o olhar incandescente de Eris, e minha voz soow tão fria quanto a expressão de Azriel quando falei: – Não me importo se somos aliados nesta guerra. Se insultar minha amiga de novo, não o impedirei da próxima vez. (pág. 421/422)
O laço de amizade – ou melhor dizendo, família – que Feyre criou na Corte Noturna é emocionante. Amren, Mor, Cassian, Azriel e Rhys recebem Feyre, ainda mais agora com sua nova identidade significativa, de braços abertos. Um se sacrifica pelo outro, um se coloca no lugar do outro, um luta pela felicidade do outro... fazendo deles uma grande família, com imperfeições que as tornam mais realistas, mas com tanto carinho e cuidado que nos arranca sorrisos o tempo todo.
– Aposto vinte moedas de ouro que haverá uma briga na primeira hora – disse Cassian, ainda sem olhar direito para Nestha.
– Trinta moedas, e aposto em 45 minutos – replicou Mor, cruzando os braços.
– Lembrem-se de que há votos de proteções de neutralidade – disse Rhys, casualmente.
– Vocês não precisam de punhos ou magia para brigar – disparou Mor.
– Cinquenta, e aposto em 30 minutos – falou Azriel, à porta. – Iniciada pela Outonal.
Rhys revirou os olhos.
– Tentam não demonstrar que estão todos apostando neles. E nada de trapacear provocando brigas. – Os sorrisos de resposta do grupo não foram nada reconfortantes. Rhys suspirou. – Aposto cem moedas que haverá uma briga nos primeiros 15 minutos. (pág. 391)
O toque de humor equilibrado que é adicionado durante toda a história é sensacional, torna o livro mais gostoso de ler e super envolvente. A reunião entre todas as Cortes convocada por Rhys foi algo muito genial, pois podemos ver uma interação maior do que nos dois primeiros livros entre as Cortes, e inclusive entramos em algumas que até então não tinha aparecido. Conhecemos mais de perto também os Grão-Senhores das demais Cortes, e tudo isso nos envolve e prende ainda mais à história.
E, quando aquele vento beijado pela noite nos atravessou para longe, bem longe, para o coração da guerra, tão longe, para o perigo desconhecido... Rezei para que minha promessa fosse verdadeira. (pág. 472)
A guerra iminente durante o terceiro livro é um forte ponto abordado, muito interessante e realmente nos prende. Foge do tradicional ação/aventura e nos apresenta a algo muito além disso. Ação, humor, romance, aventura, fantasia, ficção... é um misto de gêneros maravilhoso e envolvente. Principalmente no campo de batalha. Acontece várias coisas surpreendentes, amigos improváveis, inimigos poderosos, aliados impensáveis etc. Eu realmente admiro a forma como a Sarah conduziu essa trilogia, principalmente nesse último livro. Ela poderia ter fugido da narração, a tornado cansativa e chata, mas ao contrário... foi completamente surpreendente e envolvente. Quando acabei o livro tudo que pude pensar foi: quero mais! Se ela escrevesse um milhão de livros para essa série, eu com certeza leria todos. Fiquei realmente muito satisfeita com o desfecho, a autora soube como deixar "brechas" para continuações sem deixar perguntas não respondidas.

Desde que terminei de ler a série quero compartilhá-la com todo mundo, a indiquei pra várias pessoas e estou torcendo muito pelo lançamento do conto do mundo de Corte que sai em Maio no exterior. 
Vocês já conheciam esse livro? Ficaram curiosos para ler? Espero ter ajudado a esclarecer algumas dúvidas. Você pode comprá-lo aqui: Amazon | Saraiva (box) | Submarino (box). 


6 Comentários

  1. Ai, confesso que li a resenha super por cima porque ainda pretendo ler a série, aliás, muito obrigada por avisar que tinha spoiler dos primeiros livros, viu? Sou louca pra ler a série desde que uma amiga comprou e me indicou e saber que se tornou uma das suas favoritas só me deixa com mais vontade ainda de fazer a leitura!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena, corre pra ler porque você vai adorar, com certeza!
      http://www.florescerpalavras.com/2018/02/especial-corte-de-espinhos-e-rosas.html aqui tem a resenha do primeiro livro, assim você não pega spoiler. :) Beijos.

      Excluir
  2. Ahhh se eu entendo o que é correria! Quando eu estava na faculdade não dei conta em continuar com o blog e tive que dar uma pausa, era muita coisa ainda mais depois que comecei a fazer estágio, admiro muito quem consegue dar conta de todas essas tarefas!
    Eu tenho bastante vontade de ler essa série, justamente por isso tive que parar de ler lá no comecinho da sua resenha pra não pegar spoilers da história!
    Preciso conhecer as obras dessa autora logo :)
    Um beijo
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá difícil mesmo, por isso me afastei um pouco. Esse semestre foi uma loucura, seminários e um artigo enooorme pra fazer! Não tive como não me afastar daqui do blog, tô tentando dar continuidade pelo instagram por enquanto (@florescerpalavras). Vale super a pena conferir as obras da autora <3

      Excluir
  3. Eu ouço muitas pessoas falando super bem dessa série e descobri esses dias que é tipo uma releitura de A Bela e a Fera, o que só aumentou meu desejo de ler! Parece ser uma ótima história - fora que as capas são lindas demais! Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma releitura da Bela e a Fera, mas tem uma pegada bem original! É realmente uma ótima história, eu amo <3 Beijos.

      Excluir